Betão e crescimento económico, um artigo de opinião do Eng. Mira Amaral

Proponho a leitura de um excerto de um artigo de opinião do Eng. Mira Amaral, editado pelo Diário Económico, intitulado Betão e crescimento económico. O artigo dedica-se a analisar a substituição dos factores físicos de produção da era industrial pelo capital intelectual

A economia clássica reconhecia basicamente dois factores de produção: trabalho e capital. O crescimento económico era então feito à custa dos factores físicos de produção, os quais têm rendimentos marginais decrescentes e por isso havia limites para o constante aumento de taxa de crescimento, chegando-se a uma estabilização dessa taxa, como o modelo de Solow explica.

É nessa situação que está a economia portuguesa e por isso estabilizámos no crescimento económico anémico que temos tido e vamos infelizmente continuar a ter. Com efeito, tivemos no passado recente um modelo de crescimento extensivo, impulsionado pelos fundos comunitários que financiaram o betão e portanto apostou-se muito em factores físicos de produção. Esse modelo (a aposta no betão) era necessário para a construção das infra-estruturas de que o país necessitava. Só que essa fase está ultrapassada, sem prejuízo de ainda se poderem e deverem fazer selectivamente alguns projectos de que necessitamos mas para os quais se impõe uma rigorosa análise custos-beneficios.

Para ler o artigo na íntegra consulte o site : diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/opinion/columnistas/pt/desarrollo/1158653.html

 


Licenciado e Mestre em Gestão de Empresas. Presidente da Gesbanha, S.A., especialista em capital de risco e empreendedorismo, investidor particular ("business angels") e Presidente da FNABA (Federação Nacional de Associações de Business Angels). Director da EBAN e da WBAA

Share This Post

Related Articles

© 2020 Francisco Banha Blog. All rights reserved. Site Admin · Entries RSS · Comments RSS
Designed by Theme Junkie · Adapted by KMedia.pt