6 motivos para vir ao VCIT (27-28, Maio)

 

www.gesventure.pt/vcit2009

 

O VCIT tem-se vindo a revelar uma Iniciativa de grande importância na criação de um Ecossistema Empreendedor, no nosso País, por vários motivos que passo a expor:

 

1. Possibilita aos empreendedores um espaço adequado para a apresentação dos seus projectos à comunidade de Business Angels e aos principais players da indústria de Capital de Risco. O conceito " elevator pitch" foi introduzido no nosso país no decorrer do VCIT e já permitiu a 16 empreendedores angariarem 10,4 milhões de euros para os seus projectos.

 

2. Permite o confronto de ideias e de obras feitas, com base no espírito empreendedor e no recurso ao capital de risco, entre especialistas nacionais e internacionais, criando através desse confronto novas relações e novas experiências que naturalmente permitam antecipar benefícios para as gerações futuras. Em momentos de relativa estabilidade, estar na posse de determinado conhecimento pode criar valor indefinidamente. No entanto, durante alturas de mudança acelerada, pelo contrário, o valor de vida útil do conhecimento reduz-se rapidamente, pois torna-se obsoleto com maior celeridade. Agora o Valor está em usar o conhecimento para nos ligarmos mais rápida e eficientemente a outras pessoas para, juntos, criarmos novo Conhecimento!!!

Um exemplo da dinâmica de partilha de conhecimento foi o convite dirigido ao guru do empreendedorismo Professor Chris Curtis que veio a Portugal a convite do VCIT há 5 anos e cuja metodologia de learning by doing é hoje aplicada junto de 7000 jovens portugueses do ensino básico e secundário que aprendem empreendedorismo com base nos seus programas.

 

3. Antecipa, através da programação dos temas em debate e da selecção de oradores com obra feita quer a nível nacional quer internacional, novas oportunidades de aliar o talento ao conhecimento, num contexto internacional, do qual não nos podemos esquecer estivemos isolados durante anos, e que nos impediu de ter acesso ao universo especializado do Venture Capital. Com base no acesso a essa "massa de knowledge" que os especialistas internacionais nos trouxeram temos conseguido criar a nossa própria identidade acrescentando por exemplo ao citado contexto internacional uma outra forma de olhar para os Business Angels como recentemente ficou demonstrado com a constituição da WBAA – Associação Mundial de Business Angels a qual teve na sua génese a FNABA, o Governo Português e muitos oradores estrangeiros que participaram ao longo de vários VCIT.

 

4. Mobiliza os principais responsáveis dos Organismos do Estado com responsabilidades nesta área, não só para a necessidade de existirem condições de apoio financeiro à criação de empresas promovidas por empreendedores qualificados, mas também na necessidade de os obrigar a repensar estratégias e a trabalhar melhor na superação das barreiras impeditivas à iniciativa empresarial. Foi no decorrer de vários VCIT que foram debatidas as questões subjacentes à falta de competitividade fiscal da indústria de capital de risco assim como foi no decorrer deste Evento que alguns programas de estímulo ao empreendedorismo foram anunciados pela primeira vez.

 

5. Inspira, através da atribuição dos prémios empreendedor e intrapreneur do ano, autarca empreendedor, inovação e internacionalização, todos aqueles que procuram através do seu esforço e criatividade contribuírem para o sucesso das suas Organizações e, consequentemente, para o aumento do Bem Estar da Sociedade onde se encontram inseridos. Gonçalo Quadros, Luís Palha da Silva, Carlos Carreiras, Filip e de Botton, Xavier Rodríguez-Martín entre tantos e tantos outros foram alguns dos distinguidos durante o VCIT.

 

6. Promove o networking entre o ecossistema empreendedor, algo fundamental quando muitas vezes é difícil para um empreendedor abordar directamente o responsável de uma capital de risco, um Business Angel, o presidente de uma associação ou um dos especialistas internacionais convidado. Mais do que um congresso, o VCIT é, na sua essência um fórum dado que tão ou mais importantes são os momentos no exterior do auditório em que as conversas surgem e novas relações são estabelecidas. Para incentivar ainda mais esta vertente, incentivámos vários empreendedores a estar presentes com stands de exposição e venda dos seus produtos, algo que certamente lhes gerará novas oportunidades comerciais como de desenvolvimento do negócio.

 

Em resumo, o facto de haver actualmente em Portugal um Evento de nível internacional – que quando começámos era inexistente – capaz de colocar anualmente na ordem do dia uma série de aspectos relevantes da actividade empresarial, como são os casos dos Business Angels, Venture Capital, Garantia Mútua, Private Equity, Corporate Ventures, Empreendedorismo e Tendências e Oportunidades, é algo que muito nos orgulha pois temos consciência de que estamos a fazer um trabalho que continuara a surpreender pela qualidade dos oradores internacionais que nos visitam mas fundamentalmente pelo facto de mostrarmos o que de bom se faz no nosso Pais na área do empreendedorismo qualificado permitindo aos empreendedores portugueses serem conhecidos nesta grande "montra" internacional que é o VCIT.

Francisco Banha

Presidente da Gesventure

 

 


Licenciado e Mestre em Gestão de Empresas. Presidente da Gesbanha, S.A., especialista em capital de risco e empreendedorismo, investidor particular ("business angels") e Presidente da FNABA (Federação Nacional de Associações de Business Angels). Director da EBAN e da WBAA

Share This Post

Related Articles

© 2020 Francisco Banha Blog. All rights reserved. Site Admin · Entries RSS · Comments RSS
Designed by Theme Junkie · Adapted by KMedia.pt