Nova bolha nas “dot.com”?

Web volta a gerar firmas valiosas, mesmo sem receita

 

by Pui-Wing Tam
source: The Wall Street Journal
in Zwela Angola, 23/09/2010

«O índice da bolsa Nasdaq, forte em ações de tecnologia, está relativamente estagnado este ano. Mas o valor de empresas de informática está subindo bastante em outra área: as firmas da internet voltadas ao usuário final e que têm capital fechado.

Investidores de capital de risco e outros estão elevando as avaliações dessas empresas iniciantes, especialmente as que conseguem atrair um bom número de internautas. Num eco da bolha das empresas pontocom, alguns investidores também estão atribuindo avaliações generosas a empresas da internet que não têm faturamento e mal lançaram um produto.

Entre elas está o site de perguntas e respostas Quora Inc., que captou em março cerca de US$ 14 milhões e foi avaliado em cerca de US$ 87,5 milhões, disseram pessoas a par da questão. A empresa, sediada em Palo Alto, Califórnia, só lançou seu serviço em junho e ainda não informou como planeja gerar receita.

Outra empresa, a Blippy Inc., que permite às pessoas compartilhar e discutir compras feitas na internet, captou US$ 11 milhões e foi avaliada em US$ 46 milhões este ano. Em junho, a empresa de localização via celular Foursquare conseguiu US$ 20 milhões e foi avaliada em US$ 95 milhões, ante um valor de mercado de US$ 6 milhões obtido menos de um ano antes, disse uma pessoa a par da situação.

A valoração das empresas de capital fechado geralmente é nada mais que um exercício de adivinhação. Mas o aquecimento no segmento de empresas de serviços para usuários mostra como algumas áreas da incubadora de empresas que é o Vale do Silício começam a se recuperar. O processo já dava os primeiros sinais ano passado, quando o Twitter Inc. foi avaliado em US$ 1 bilhão durante uma rodada de captação de recursos, ante US$ 95 milhões em meados de 2008, quando realizou outra rodada de financiamento, segundo a firma de pesquisa de mercado VentureSource, subsidiária da dona do Wall Street Journal, a News Corp.

Alguns investidores temem que o aquecimento seja um sinal de que o mundo da web voltou à era do exagero. Isso pode criar expectativas falsamente positivas quanto ao desempenho de uma empresa, pressionando empreendedores e investidores a se arriscar para poder cumprir essas expectativas. Muitos investidores podem não recuperar seus recursos, especialmente com a relativa falta de receptividade das bolsas às aberturas de capital nos últimos anos.

“Toda vez que a avaliação de uma empresa aumenta, você está fazendo uma promessa implícita que tem de cumprir, e esse é o grande desafio”, disse Matt MacInnis, diretor-presidente da Inkling, uma empresa novata de San Francisco especializada em livros didáticos interativos. A Inkling anunciou no mês passado mais uma rodada de captação conduzida pela firma de capital de risco Sequoia Capital, que elevou sua estimativa de valor para dezenas de milhões de dólares, disse MacInnis. “Agora é problema do empreendedor marcar um golaço ou fracassar”, disse ele.

O valor crescente dessas empresas é refletido pelo mercado secundário, em que os investidores negociam fatias de empresas de capital fechado, como o site de relacionamento social Facebook Inc. No SecondMarket, que opera uma bolsa em que investidores podem negociar fatias de empresas iniciantes, a cotação das seis empresas mais procuradas — quatro delas são sites de serviços a consumidores finais — subiu em média 39% entre janeiro e agosto, segundo a empresa.

Por outro lado, o índice Nasdaq — que conta com gigantes da tecnologia de capital aberto como Apple Inc. e Intel Corp. — subiu apenas 2,9% este ano, até ontem.

“Há um grande desligamento entre o mercado aberto e o fechado”, disse Saar Gur, investidor de capital de risco da Charles River Ventures que aplicou na Blippy.

Embora a supervalorização de empresas de internet com propostas empolgantes não ser nada novo, a velocidade com que esses valores subiram acelerou, disseram investidores de empresas novatas do Vale do Silício. Impulsionadas pela escala crescente da internet, as empresas da web podem decolar mais rapidamente se conseguirem conquistar usuários. Isso faz com que o valor delas cresça com mais velocidade do que antes, enquanto capitalistas de risco e outros investidores brigam por uma fatia dessa expansão.

O site de descontos Groupon Inc., por exemplo, foi fundado em 2008 e rapidamente começou a atrair pessoas interessadas em seus cupons de descontos em lojas do bairro do usuário. Em abril, quando recebeu uma injeção de US$ 135 milhões da firma russa de investimento Digital Sky Technologies Ltd. e da firma de capital de risco Battery Ventures, a Groupon passou a ser avaliada em US$ 1,35 bilhão.

“Antes, as pessoas não esperavam que o crescimento fosse tão rápido assim”, disse a capitalista de risco Patricia Nakache, da Trinity Ventures.

Como as firmas de internet são relativamente baratas de abrir — só precisam alguns funcionários e computadores —, muitos empreendedores ainda não precisam de montanhas de dinheiro quando os investidores começam a telefonar, disse um dos fundadores da Blippy, Philip Kaplan.»


Licenciado e Mestre em Gestão de Empresas. Presidente da Gesbanha, S.A., especialista em capital de risco e empreendedorismo, investidor particular ("business angels") e Presidente da FNABA (Federação Nacional de Associações de Business Angels). Director da EBAN e da WBAA

Share This Post

Related Articles

Um comentário a “Nova bolha nas “dot.com”?”

  1. Jose daVeiga says:

    A valuacao aqui tem a ver, como em toda a parte, com o tamanho do mercado e com os actores envolvidos. Tal como nos Negocios do cinema aqui em Hollywood….

© 2020 Francisco Banha Blog. All rights reserved. Site Admin · Entries RSS · Comments RSS
Designed by Theme Junkie · Adapted by KMedia.pt