Talks Cartas à Comunidade – Edição Diretores de Escolas

Dando sequência ao propósito das Talks “Cartas à Comunidade, por um Portugal mais empreendedor – Enriquecimento da tomada de decisão com base em evidências”, realizámos a terceira sessão, dando voz a 4 Diretores de Escolas cujos projetos educativos têm contemplado o desenvolvimento de competências cívicas e empreendedoras dos seus alunos.

Estiveram comigo as Diretoras, Anabela Soares (Agrupamento de Escolas de Arganil) e Madalena Dinis (Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão) e os Diretores, Maomede Cabrá (Agrupamento de Escolas de Figueira Norte) e Pedro Ribeiro (Escola Secundária Viriato, Viseu).

Na abertura desta 3ª Talk, contámos com a presença de José Carlos Sousa, Diretor de Serviços de Projetos Educativos da Direção-Geral da Educação (DGE) que, sendo Doutorado em Ciências da Educação, possui, igualmente, um “saber de experiência feito” relevante, fruto do seu envolvimento enquanto Docente no 1.º; 2.º e 3.º ciclos; Diretor de Escola de 1.º ciclo; Coordenador de Estabelecimento; Diretor de turma, entre outras funções.

 

 

Trouxemos à reflexão, entre outros temas, o importante papel dos Diretores de Escolas e Agrupamentos de Escolas na tomada de decisões relacionadas com as opções de organização curricular que melhor se adaptem às características dos seus alunos, tendo em linha de conta a variedade de objetivos curriculares os quais, recorde-se, contemplam não só o domínio cognitivo, mas também as dimensões pessoal e de educação para a cidadania.

O desenvolvimento desta autonomia ao incrementar a liberdade das escolas para concretizar as políticas estratégicas que melhor promovam o sucesso escolar dos alunos e os objetivos educacionais gerais tem vindo a fomentar a implementação de projetos próprios, que valorizem as boas experiências e promovam práticas colaborativas, no âmbito dos quais tem existido espaço para proporcionar aos seus alunos e docentes a participação em Programas de Educação para o Empreendedorismo na sua maioria promovidos por Comunidades Intermunicipais, como tivemos oportunidade de constatar.

A margem de autonomia e de flexibilidade curricular ao dispor dos Diretores leva-nos a querer, igualmente, compreender a influência que os mesmos possuem na elaboração do Plano anual de Formação do Agrupamento (em sintonia com o respetivo Centro de Formação da Associação de Escolas), destinado a atualizar e aprofundar os conhecimentos e competências profissionais dos seus docentes, nomeadamente na aquisição de competências pedagógicas, transferíveis para a prática letiva diária, no âmbito do empreendedorismo.

O envolvimento de vários agentes envolvidos no processo educativo, o trabalho conjunto entre as escolas de todos os ciclos e níveis de ensino e o incentivo à relação Escola-Famílias-Meio ao colocar questões relacionadas com a criação de redes de trabalho a nível do agrupamento, na articulação entre docentes, na relação com a Autarquia e os parceiros locais, suscita-nos a curiosidade em compreender o papel que os nossos convidados possuem na conceção de respostas que permitam a inclusão (ou não) nos projetos educativos da promoção de uma cultura de empreendedorismo envolvendo os seus alunos/docentes na criação de soluções que permitam resolver problemas locais/na Comunidade.

Fique atento, e faça parte do processo de criação de um Portugal Mais Empreendedor!

 


Licenciado e Mestre em Gestão de Empresas. Presidente da Gesbanha, S.A., especialista em capital de risco e empreendedorismo, investidor particular ("business angels"). Director da EBAN e da WBAA

Share This Post

Related Articles

Comente o Post

© 2021 Francisco Banha Blog. All rights reserved. Site Admin · Entries RSS · Comments RSS
Designed by Theme Junkie · Adapted by KMedia.pt